domingo, 31 de outubro de 2010

E lá vou eu de novo

E lá vou eu, outra vez de novo
Me questionar sobre o que não tem solução
Sobre ser poeta, velho ou novo
Sobre escrever com o coração.

De como aproveitar a hora da cesta
E escolher um lugar calmo
Pra outra vez pegar a caneta
E escrever mais um poema besta

É daqueles que podem até ser lidos
Mas não serão compreendidos
Não surtindo efeito, então
E me pergunto bem baixinho
Do poeta, qual é a contribuição?

Já não vejo aí resposta
Eis ai minha rotina
Outra pergunta me consome
Quantas palavras eu uso
Na minha poesia cretina?



Cento e nove nesta daqui.

Um comentário:

  1. Dan, eu gosto mais dessa agora. o "Nosso" ficou em segundo lugar!

    haha.

    ResponderExcluir